Jogo de Economia – Preparado para 1.º e 2.º ciclos

Com o desenvolvimento da situação económica no país e as notícias que começaram a conter termos como “deficit”, “orçamento”, “dívida”, “empréstimos”, “dívida externa”, “crédito”, etc, decidiu a direção do Colégio de Alfragide, criar um conjunto de aulas de economia que pudessem trazer algumas informações gerais sobre a importância do dinheiro, a forma como se deve usar e os cuidados a ter para não cairmos em desgraça e abrirmos falência.

Assim, foram elencados um conjunto de noções sobre a evolução da economia desde a pré-história até à época contemporânea, passando por conceitos como:

Necessidade básicas do homem pré-histórico

Comunidades nómadas

Comunidades sedentárias

Especialização do trabalho

As trocas por géneros

A invenção da moeda

Oferta e Procura: os preços e a sua variação

O Burgo e as Feiras

Êxodo Rural

O Renascimento

Reforma Agrária

Revolução Industrial

Norte Rico versus Sul Pobre

Comunismo e Capitalismo

O Estado do Bem-Estar

O Consumismo

O Orçamento de Estado

O Orçamento Familiar

Como é óbvio, estas noções foram dadas de forma simples para que os alunos compreendessem os conceitos e as relações através das quais as sociedades foram evoluindo e melhorando as suas condições básicas de vida.

Finalmente começámos a jogar o Jogo da economia que, de uma forma prática pretende pôr em prática as noções de orçamento familiar e as decisões que as famílias têm de tomar para sobreviver de acordo com as suas posses, vontades, desejos.

O jogo desenvolveu-se em estádios de acordo com os seguintes objetivos:

Estádio 1: Criação de famílias

Pegou-se no número de alunos rapazes e raparigas e previmos o número necessário para criar o número máximo possível de casais. Pusemos de lado o número de cartões a sortear relativo a estes casais. ( casado ) Relativamente aos sobrantes, escolheram entre cartões com igual número de solteiros/casados.

Por exemplo: Uma turma com 8 rapazes e 14 raparigas. Criaram-se 8 casais e sobraram 6 raparigas. Dividiu-se este número ao meio e destas 6, 3 teriam de ser solteiras e 3 teriam de ser casadas. Desta forma organizaram-se os cartões a sortear: 16 Cartões a dizer “casado”, 3 cartões a dizer “solteiro” e 3 cartões a dizer “divorciado”.

Estádio 2: Escolha de profissões

Os alunos escolheram cartões que indicavam as profissões e os vencimentos:

Professor 1600; Arquiteto 2500; Juiz 4000; emp balcão 650; economista 2000;

Escriturário 950; escriturário 1200; emp balcão 750; motorista 900; operário 750;

Médico 5000; enfermeiro 1200; político 3500; gestor 4500; emp balcão 850;

Escriturário 1000; operário 850; médico 4500; cantor 1000; monitor ED Fis 1200;

Professor 1300; motorista 900; escriturário 850; emp balcão 900.

Estádio 3: Escolha do número de filhos

Sortearam-se os filhos: cada aluno teve de escolher um cartão à sorte onde lhe poderia sair 0 filhos, 1 filho, 2 filhos. Portanto, cada casal poderia ficar com zero filhos no mínimo ( se cada um deles tirasse zero filhos), mas poderia ficar com 4 filhos no máximo (se cada um dos membros tirasse dois filhos).

Os solteiros ficaram livres de ter filhos e os divorciados sortearam também o número de filhos.

Estádio 4: Escolha de casa

Cada casal  teve de escolher entre as seguintes hipóteses de acordo com o rendimento do agregado familiar: casa dos pais, casa arrendada, casa própria pequena de 400 euros/mês, casa própria grande de 600 euros/mês

Estádio 5: Escolha da escola

Cada casal  teve de escolher entre as seguintes hipóteses de acordo com o rendimento do agregado familiar: escola oficial (100 euros/criança), escola particular barata ( 380euros/crianças), escola particular cara (600 euros/criança)

Estádio 6: Escolha de carro

Cada casal  teve de escolher entre as seguintes hipóteses de acordo com o rendimento do agregado familiar: transportes públicos ( 100 euros cada adulto + 25 euros cada criança com mais de 6 anos ); carro pequeno ( 160 euros gasóleo + 250 euros /mês empréstimo); carro grande (160 euros gasóleo+500 euros/mês empréstimo)

Estádio 7: Definição de gastos fixos

Valores por mês:

Água: 25 euros adultos+ 0,25% por cada filho por mês

Eletricidade: 25 euros adultos+ 0,25% por cada filho por mês

Gás: 50 euros adultos+ 0,25% por cada filho por mês

Comunicação: 50 euros tel. Fixo+TV+internet + 25 euros cada telemóvel por mês

Roupa: 10 euros por pessoa por mês

Alimentação: 45 euros por pessoa por mês

Combustível: 160 euros por automóvel/100 euros por passe adulto/25 euros cada passe criança por mês

Férias em casa: 10 euros por pessoa/mês

Férias no país: 40 euros por pessoa/mês

Férias no estrangeiro: 100 euros por pessoa/mês

Gastos diários filhos: 10 euros por cada filho/mês

Após estes estádios começámos a jogar o JOGO da ECONOMIA, fazendo uma ronda pelas famílias em cada um dos meses, começando em janeiro, até dezembro.

Em cada mês, cada família escolhe um cartão de sorte/azar onde, para além dos custos fixos, recebe indicações sobre situações positivas ou negativas que lhe podem acontecer.

Sorte/Azar

Saiu-lhe dinheiro no Euromilhoes: 5000 Euros.

Quando ia a caminho do emprego, bateu no carro da frente: 1700 euros de arranjo no seu carro.

O frigorífico avariou-se. O arranjo são 200 Euros. Um novo custa 450 euros. O que faz?

Uma tia afastada deixou-lhe uma propriedade numa cidade de província. Alguém lhe daria 25000 Euros por ela… Venderia ou não?

Fez anos de casado, foi jantar fora num restaurante de luxo: 300 Euros.

De repente, começou a ter dores num dente. O dentista disse-lhe que tinha de o arrancar e propôs-lhe um implante por 1500 Euros: o que faz?

O seu patrão acha que merece ser promovido. O novo lugar implica um aumento de 50% no seu vencimento.

Recebeu uma carta do IRS. Reembolsaram-no em 560 Euros.

Recebeu uma carta das finanças. Tem de pagar a contribuição autárquica: 350 euros.

O seu automóvel tem os pneus gastos: pneus novos custam 400 euros.

Fez uma sociedade com um amigo. A empresa criada começou a dar lucros. No ano anterior deu 20000 euros de lucro, do qual recebeu metade.

Contactaram-no do colégio do seu filho que já pode ir levantar o dinheiro do contrato simples: 1250 euros.

o seu filho faz anos e quer fazer uma festa para os amigos numa discoteca: 1000 euros.

Tem de pagar as propinas da faculdade do seu filho: 330 euros.

Funcionamento do jogo

Se uma família não tiver dinheiro para satisfazer os seus compromissos tem de se endividar pagando juros a seis meses de 5%, pagando depois prestações mensais perante o empréstimo.

Se a família tiver dinheiro em excesso terá de tomar decisões sobre depósitos à ordem e/ou a prazo a seis meses com juros de 5%.

O interesse será ver como cada família toma as decisões mais corretas e chega ao fim de 12 meses melhorando as suas condições de vida ou não.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Mentalidades. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s